quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Algo pra abraçar

Bonequinha, ontem, na hora de dormir, você me disse que precisava de alguma "coisa" pra abraçar que fosse parecido com a Vovó...

Meu amor, sei que você precisa passar por isso. Sei que precisa passar pelo luto. Mas corta o coração da mamãe ver você sofrendo assim...

Há alguns dias fizemos uma viagem a praia, Porto Seguro, e você curtiu muito. Mas pelo menos por três vezes te peguei chorando sozinha e quando perguntava o motivo, só dizia V-O-V-O. Sei que se lembrava da nossa última viagem, e que sua vovó estava junto. Sei que tudo a fazia lembrar dela e sentia sua falta. Ah, meu amor... Mamãe parece forte, mas morre um pouquinho por dentro a cada momento de falta dela... Não sei o que fazer para ajudar, a não ser abraçá-la e secar suas lágrimas.

Vamos passar por isso juntas, minha boneca. Vamos tentar superar a perda e moderar a saudade. Vamos manter dentro de nós duas tudo que ela conseguiu nos ensinar. Vamos mantê-la viva dentro de nós, amorzinho.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Espairecendo...

Boneca, nessa viagem você se acabou de tanto sorrir, dançou a beira mar, chorou de saudade, cantou pra alegrar, teve seu primeiro amor de verão, construiu castelos na areia e foi paparicada até não caber mais...

Porto Seguro/BA - 9/9/2012 a 16/09/12 - Ótimas lembranças!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Um abraço

Boneca, hoje tive duas certezas: Você é um anjo de verdade e é também um pedacinho da sua Vovó que ficou aqui pra mim...

Ontem estava sentindo uma falta gigante da sua Vó. Quando cheguei tentei ser o mais normal e natural possível. Jantamos juntas, conversamos, brincamos e tomamos banho. Não disse nada. Mal conseguia dormir e quando dormia sonhava com ela doente e sofrendo. Você também não dormiu bem. Remexeu e conversou a noite toda.... Sonhava com algo importante. Quando amanheceu, fui, como de costume te acordar para ir a escola. E ainda sonolenta e de olhinhos fechados você falou: "Primeiro uma coisa mamãe..." Me deu o abraço mais gostoso e confortante do mundo e disse ao pé do meu ouvido: "Te amo, Mamãe..."