quarta-feira, 23 de abril de 2008

Inatingível?

“Eu quero uma casa no campo, onde eu possa ficar no tamanho da paz, e tenha somente a certeza, dos limites do corpo e nada mais”. Eu quero um quintal, uma cozinha grande, uma rede na varanda. Eu quero olhar pela janela e ver minha filha brincando com as galinhas, correndo e tentando pegar os passarinhos... Eu quero até que ela suba em árvores como a mamãe dela fazia. Eu não quero mais sair pra trabalhar... Quero ser dona de casa, pronto. (Que Deus me ajude nessa empreitada!) Não quero mais ter que sair todo dia de manhã e dar um beijo de batom na mãozinha da princesa e prometer que eu volto. Não! Eu quero ficar com ela. Bom demais seria ficar balançando na rede, todo fim de tarde, nós três: eu, a pequena princesa e o papai “Mathu”. A vovó não gosta de rede, ela ficaria na cadeira de balanço pertinho da gente. Eu quero uma casa no campo, onde eu possa criar minha filha, onde eu possa criar minha família...



"Se as coisas são inatingíveis... ora!
não é motivo para não querê-las.
Que tristes os caminhos, se não fora
a mágica presença das estrelas!"
(Mário Quintana)

terça-feira, 22 de abril de 2008

Sábado no shopping...

O que a pequena princesa mais gostou de fazer no shopping:

- corrida com obstáculos;
- colocar a mamãe e a vovó pra fazerem corrida com obstáculos;
- “assaltar” lojas. (É, a princesa entrou numa loja e saiu correndo com uma bolsa de ursinho rosa.) Mãe sofre, viu.
- passar algodão-doce na calça da mamãe;
- passar maquiagem;
- escolher pulseiras e presilhas;
- andar de carrinho;
- pegar o balão das outras crianças;
- almoçar macarrãozinho;
- lamber a casquinha do sorvete;
- sujar a mamãe de sorvete;
- beber água no bebedouro;
- brincar com os brinquedos do fraldário;
- andar de escada rolante;
- testar a paciência da mamãe e a saúde da vovó.

O que a mamãe e a vovó mais gostaram...

- de ir embora.

terça-feira, 15 de abril de 2008

Se você quer ter filhos, tenho algumas coisas pra te falar:

Não tenha. A água ta acabando, as florestas estão acabando, a violência tá aí pra todo mundo ver, a saúde pública tá uma lástima, temos crises e mais crises internacionais, nacionais, estaduais, regionais, locais, pessoais, familiares, etc, etc e etc. Mas, se você, mesmo assim, insistir nessa loucura, tudo bem. Depois não diga que eu não avisei.

Engravide ciente de tudo que esta por vir. Não tenha ilusões. Eles choram pra caramba, fazem cocô e xixi, e o pior, não sabem se limpar sozinhos.

Adquira muita, muita paciência. Você já é paciente? Maravilha!! Adquira mais paciência. Tudo parece durar uma eternidade e quando passa, parece que foi rápido. É. Deus manipula nossa mente materna. Nos faz esquecer tudiiiinho.

Tenha o filhote após os 25 anos. Antes, divirta-se bastante: namore muito, vá em todas as festas que conseguir, compre todas as roupas e sapatos que tiver vontade. Não deixe nada por fazer. Sabe por que? Porque você vai falir minha filha. Sua vida social se resumirá a almoços de família, festas infantis e visitas ao pediatra.

Bebê chora pelos longos 3 primeiros meses de vida. Não sei o porquê, nem pra quê, nem como ele agüenta esgüelar durante todo esse tempo. Alguns duram mais, outros menos, mas não se iluda, todos esgüelam nesse período.

Uma linda e exuberante barriga de grávida significa: celulite e estrias. E nem vou comentar sobre o peito despencado. Não. Não. Eu não quis dizer caído. É “despencado” mesmo.

E a pior (melhor!) de todas:

Você se apega àquelas pequenas criaturas. E não me venha com essa de que você vai ser uma mãe moderna, liberal e que você vai criar os filhos pro mundo... Naaaaaada. Você, querida, se apega àqueles pequenos seres. Depois que eles surgem você simplesmente não se lembra mais de como era sua vida sem eles. Todas. Repito: Todas as mães são desesperadas, caretas, encucadas, ciumentas e possessivas. Não é, Dona Nina?? Não é, Dona Ladinha??

Enfim, ter filho dá um trabaaaaaaalho.
Mas é uma experiência MA-RA-VI-LHO-SA !!!!

Agora peraí, vou ali dar um “gruda” na pequena princesa.

sexta-feira, 11 de abril de 2008

Mamãe também erra, princesa.

Ai, amor. Ontem briguei com você. Gritei com você. E você, com esses lindos olhinhos, ficou olhando pra mim sem entender nada. Eu errei demais. Você é linda, meu amor. Você me faz morrer de culpa por qualquer fala acima do tom. Perdoa a mamãe? Você é tão esperta e inteligente que às vezes eu quero que você tenha o mesmo comportamento de uma adulta. Me perdoa por esquecer que você é uma pequena princesa?


Te amo demais, princesa!
Feliz Aniversário de 22 meses!